Bonecas Desobedientes

Crise do Drama. Crise do Ser Humano

Autores

  • Carolina Lobo Célia Helena Centro de Artes e Educação

Palavras-chave:

Caça às bruxas, Modernidade, Drama Moderno, Casa de Bonecas, Feminismo

Resumo

Este artigo discute como a forma e o conteúdo do drama moderno – com base na peça "Casa de Bonecas", de Henrik Ibsen – podem subverter não apenas a estrutura dramática, mas também qualquer sistema disciplinador e castrador. Através de uma breve viagem do Renascimento à Modernidade, passando pelo nascimento do biopoder e pela caça às bruxas, as reflexões propostas reencontram a essência da arte: A libertação coletiva.

Biografia do Autor

Carolina Lobo, Célia Helena Centro de Artes e Educação

Graduada em Educação Física e Dança pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2001), atuou como professora de dança, lecionando para crianças e jovens da rede pública e privada de ensino. Mestranda em Artes da Cena na Escola Superior de Artes Célia Helena, sob orientação da Profa. Dra. Karina Almeida. Desde 2007, atua como professora de Euritmia na Escola Waldorf Rudolf Steiner (EWRS) e desde 2015 dirige o Grupo de Euritmia Jovem YggBrasil. Atualmente é docente da Faculdade Rudolf Steiner (FRS), onde também dirige o projeto de extensão Coletivo IANProfessora de redação e cineasta. Mestranda em Artes da Cena na Escola Superior de Artes Célia Helena, sob orientação da Profa. Dra. Giuliana Simões. Especialista em Cultura, Mídia e Informação pela Universidade de São Paulo (2013). Graduada em Letras-Português/Literaturas pela UNITAU (2006).

Referências

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: A aventura da modernidade. Trad. Carlos Felipe Moisés, Ana Maria L. Ioriatti e Marcelo Macca. São Paulo: Editora Schwarcz Ltda, 1987.

COSTA. José da. Biopolítica e teatro contemporâneo. In PARDO, Ana Lúcia (Org.). A teatralidade do humano. São Paulo: Edições Sesc, 2011, p. 140-149.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Trad. Coletivo Sycorax. São Paulo: Elefante, 2017.

______________ . O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. Trad. Coletivo Syncorax. São Paulo: Elefante, 2019.

______________. Mulheres e caça às bruxas. Trad. Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo Editorial, 2019.

GAGO, Verónica. A potência feminista. Trad. Igor Peres. São Paulo: Elefante, 2020.

HOBSBAWN, Eric J. A era das revoluções. Europa 1789-1848. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

IBSEN, Henrik. Casa de Bonecas. Trad. Gabor Aranyi. São Paulo: Veredas, 2007.

MAMET, David. Três usos da faca. Sobre a natureza e a finalidade do drama. Trad. Paulo Reis. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

MENEZES, Tereza. Ibsen e o novo sujeito da modernidade. São Paulo: Perspectiva, 2006.

SARRAZAC, Jean Pierre. Sobre a fábula e o desvio. Trad. Fátima Saadi. Rio de Janeiro: 7Letras, 2013.

___________________. Poética do Drama Moderno. De Ibsen a Koltès. Trad. Newton Cunha, J. Guinsburg, Sonia Azevedo. São Paulo: Perspectiva, 2017.

SZONDI, Peter. Teoria do Drama Moderno (1880-1950). Trad. Luiz Sérgio Repa. São Paulo: Cosac & Naify Edições, 2011.

Downloads

Publicado

03/04/2022

Como Citar

Lobo, C. (2022). Bonecas Desobedientes: Crise do Drama. Crise do Ser Humano. Olhares, 8(1 e 2), 72-81. Recuperado de https://www.olharesceliahelena.com.br/index.php/olhares/article/view/142