Parahyba Rio Mulher

discurso e montagem

Autores

  • Natália A. de Sá Escola Superior de Artes Célia Helena

Palavras-chave:

Performance, Teatro de rua, Mulher, Parahyba, Anayde Beiriz

Resumo

Este trabalho relata o processo de criação e montagem da performance teatral Parahyba Rio Mulher. O espetáculo se dedica a contar histórias de mulheres, de ontem e de hoje, para revelar não apenas um histórico de silenciamento e violência contra a mulher que vem perpassando gerações, mas também evocando a ancestralidade para reverenciar a força do sagrado feminino que nos conecta e convida a resistir e continuar nossas jornadas. Assim, desdobram-se ritos que desenham suas rotas. As mulheres, do elenco e do público, do Brasil e do mundo, têm suas trajetórias conectadas à de Anayde Beiriz, mulher que desafiou padrões em uma sociedade paraibana conservadora de quase cem anos atrás e que foi protagonista do episódio que levou a Cidade de Parahyba, capital do estado da Paraíba, no seio da Revolução de 1930, a se chamar João Pessoa.

Biografia do Autor

Natália A. de Sá, Escola Superior de Artes Célia Helena

Natural de João Pessoa, Paraíba, atriz e preparadora de atores, com experiência em dança, teatro, performance, TV e cinema. Graduada e Mestra em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Especialista em Artes da Cena: Direção e Atuação e em Corpo: Dança, Teatro e Performance, pela Escola Superior de Artes Célia Helena (ESCH).

Referências

ALBUQUERQUE JR, Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. 4ª ed. Recife: FJN; Ed. Massangana; São Paulo: Cortez, 2009. 340 p

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: fatos e mitos; tradução de Sérgio Milliet. 4 ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1980.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: a experiência vivida; tradução de Sérgio Millet. 4 ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1980.

BEAUVOIR, Simone. Por uma moral da ambiguidade; tradução de M.J. de Moraes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.

BERTH, Joice. O que é empoderamento? 1 ed. São Paulo: Letramento, 2018. 112 p.

BOGART, Anne; LANDAU, Tina. O livro dos Viewpoints: um guia prático para viewpoints e composição. 1 ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2017

COHEN, Renato. Performance como linguagem: criação de um tempo-espaço de experimentação. São Paulo: Editora Perspectiva, 2002.

FABIÃO, Eleonora. Performance e teatro: poéticas e políticas da cena contemporânea. 2008: Sala Preta, 8, 235-246.

SANTOS, José Mário Peixoto. Breve histórico da “performance art” no Brasil e no mundo. Revista Ohun, ano 4, n. 4, p.1-32 , dez 2008.

SCHECHNER, Richard. O que é performance? Revista O Percevejo, Tradução Dandara, Rio de Janeiro: UNI-RIO, ano 11, 2003, p.25- 50.

Notas de aulas da disciplina Estética e Encenação Contemporânea, conduzida pela professora Giuliana Simões no curso de Especialização em Artes da Cena: Direção e Atuação da Escola Superior de Artes Célia Helena, em São Paulo, de 19 de maio a 23 de junho de 2018.

Downloads

Publicado

22/12/2020

Como Citar

Sá, N. A. de. (2020). Parahyba Rio Mulher: discurso e montagem. Olhares, 7(1 e 2), 45-61. Recuperado de https://www.olharesceliahelena.com.br/index.php/olhares/article/view/133