Crítica e celebração em Roda viva - 1968/2018

Autores

Palavras-chave:

Roda viva, Zé Celso, Teatro brasileiro, Teatro Oficina

Resumo

O artigo apresenta debate sobre a importante montagem da peça Roda viva, de Chico Buarque, em 1968, com a direção de José Celso Martinez Corrêa (Zé Celso). O espetáculo é incontornável para compreender a força explosiva daquele ano no Brasil. Apesar disso, é uma montagem na qual convivem esforços contraditórios revividos e agravados na retomada do espetáculo cinquenta anos depois, em 2018.

Biografia do Autor

Paulo Bio Toledo, Universidade de São Paulo

Bacharel em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo (2010), mestrado em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo (2013) e doutorado em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo (2018). Atualmente é colaborador, crítico de teatro, da Folha de S. Paulo. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Teatro.

Referências

BOAL, Augusto. Que pensa você da arte de esquerda? In: BOAL, A. et al. Primeira feira paulista de opinião. São Paulo: Expressão Popular; LITS, 2016.

BORGHI, Renato. Borghi em revista. Organização de Élcio Nogueira Seixas. São Paulo: Imprensa Oficial, 2008.

BÜRGER, Peter. Teoria da vanguarda. Tradução: José Pedro Antunes. São Paulo, Cosac & Naif, 2008.

CORRÊA, José Celso Martinez. Depoimento. [1983]. São Paulo: Exposição REVER ESPAÇOS Centro Cultural São Paulo. Acervo Flávio Império.

______. Poder de subversão da forma. In:______. Primeiro ato: cadernos, depoimentos, entrevistas (1958 - 1974). Seleção, organização e notas de Ana Helena Camargo de Staal. São Paulo: Ed. 34, 1998.

______. O tempo rodou num instante: depoimento. [abr. 2012]. São Paulo: Traulito. N. 5, pp. 5-9. Entrevista concedida a Nina Hotimsky.

______. Roda Viva: perguntas e respostas: depoimento. [jan. 1968]. Rio de Janeiro: Programa do espetáculo Roda Viva.

COSTA, Iná Camargo. A hora do teatro épico no Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GORENDER, Jacob. Combate nas trevas. 5. ed. São Paulo: Perseu Abramo, Expressão Popular, 2014.

______Roda Viva. Rio de Janeiro: Editora Sabiá, 1968.

HOLLANDA, Francisco Buarque de. Roda Viva. Arquivo Miroel Silveira. Mimeografado, 1967.

LICHOTE, Leonardo. Zé Celso estreia em São Paulo remontagem atualizada de ‘Roda viva’. O Globo, Rio de Janeiro, 06 dez. 2018.

MELLO, Zuza Homem de. A era dos festivais: uma parábola. São Paulo: Ed. 34, 2003.

MORIN, Edgar. A comuna estudantil. In: CASTORIADIS, Cornelius; LEFORT, Claude: MORIN, Edgar. Maio de 68: a brecha. São Paulo: Autonomia Literária, 2018.

NANDI, Ítala. Teatro Oficina onde a arte não dormia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.

PASTA Júnior, José Antônio. Formação supressiva: constantes estruturais do romance brasileiro. Tese (Livre-Docência em Literatura Brasileira) – FFLCH, USP, 2011.

PECORELLI, Biagio. A pulsão performativa de Jaceguai. Dissertação (Mestrado em Teoria e Prática do Teatro) – ECA, USP. São Paulo, 2014.

______. A pulsão performativa de Jaceguai: 50 anos de Roda Viva, 50 anos do “teatro agressivo”. Sala Preta, v. 18, n. 1, p. 55-71, 30 jun. 2018.

PEIXOTO, Fernando (Org.). Teatro Oficina (1958-1982): trajetória de uma rebeldia cultural. São Paulo: Brasiliense, 1982.

REIS Filho, Daniel Aarão. 1968, a paixão de uma utopia. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, 1988.

ROSENFELD, Anatol. O teatro agressivo. In: ______. Texto/Contexto I. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 1996.

SCHWARZ, Roberto. Cultura e política 1964-1969. In: ______. O pai de família e outros estudos. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

VELOSO, Caetano. Verdade tropical. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

Downloads

Publicado

24/07/2019

Como Citar

Bio Toledo, P. (2019). Crítica e celebração em Roda viva - 1968/2018. Olhares, 6(1 e 2), 32-41. Recuperado de https://www.olharesceliahelena.com.br/index.php/olhares/article/view/110